fbpx

Aleatórias de 3ª – Veja quem são os pré-candidatíssimos à prefeitura de Porto Velho

Envie para seus amigos

Bola da vez

O MDB trabalha com três nomes para disputar a prefeitura de Porto Velho. Williamens Pimentel, ex-secretário de Saúde do governo Confúcio, George Braga, ex-secretário de Administração do mesmo governo e Walter Waltenberg, desembargador aposentado. Evidente que desse trio, Pimentel é o que tem mais cacife para enfrentar a disputa, e experiência acumulada no executivo como gestor. Não que ele seja melhor ou pior que os outros, é apenas uma observação. 

Estrutura partidária

O MDB também é de longe o partido com maior estrutura neste processo. Tem militância e dinheiro. 

Fora da disputa

Hildon Chaves, atual prefeito da capital deve mesmo ficar fora da disputa. O articulista Robson Oliveira, que conhece bem Hildon, já adiantou por duas vezes e a confirmação deve ocorrer possivelmente na quinta-feira, 13 em coletiva. Robson adiantou que o prefeito é contra o instituto da reeleição, sendo favorável a um mandato de 5 anos. Mas a verdade é que Hildon aposentou do Ministério Público, vendeu seu grupo educacional e agora tem 120 milhões de motivos em sua conta bancária para querer sossego por um tempo.

Outros postulantes

O PT deve lançar Ramon Cujui Freitas. Outro que certamente estará na disputa é Vinicius Miguel, que já é bem conhecido do eleitorado. Quem também vai estar na disputa pela sucessão é Thiago Tezzari, atualmente presidente da Empresa de Desenvolvimento Urbano de Porto Velho (Emdur). O advogado Breno Mendes já colocou seu nome como pré-candidato e quem também está na fila é a vereadora Cristiane Lopes. O advogado Fabrício Jurado já lançou até um site de campanha. E claro, não podemos esquecer de Mauro Nazif, que já administrou a cidade, perdeu a eleição para Hildon Chaves, foi eleito deputado federal e sonha em ocupar o Palácio Tancredo Neves novamente.

Fator Léo Moraes

O deputado federal Léo Moraes é peça chave no processo eleitoral deste ano em Porto Velho. Derrotado em segundo turno em 2016 por Hildon Chaves, Léo sagrou-se o mais votado entre os deputados federais em 2018 com quase 70 mil votos. A diferença entre Léo e o segundo colocado foi de praticamente 30 mil votos. Além disso, ele não se afastou de sua base, Porto Velho, e está ampliando com visitas a todos os municípios desde que foi eleito. Isso tem feito a diferença e talvez seja um dos motivos para que ele não dispute a eleição neste ano. Léo tem grandes chances de ser senador ou governador daqui a dois anos, basta manter o foco. Outro ponto para ele ficar fora do processo, é o fato de estar participando de sucessivas eleições desde que foi vereador, deputado estadual, disputou prefeitura e câmara federal. Tudo isso em um espaço de 8 anos.

Deu ruim

Hildon Chaves viajou com a família para o México. Marcos Rocha tentou pegar uma carona dizendo que não faria isso em meio à pandemia, e a lenga-lenga dele de sempre, que é prefere “orar pelas vítimas’’ e blá, blá, blá. Aproveitou para cutucar Chaves insinuando que o prefeito estaria recebendo diárias e passagens pagas pela municipalidade. Hildon deveria enfiar um processo em Rocha. Apesar de sua inabilidade em administrar a cidade, essa é uma acusação que não cabe em Hildon que abriu mão inclusive do salário de prefeito. Ao contrário de Rocha, que no dia de sua posse, deu pinote para Brasília e gastou mais de R$ 11 mil para assistir a posse de Jair Bolsonaro.

Aos advogados e magistrados

Nesta terça-feira, 11, é comemorado o Dia do Advogado e também o Dia do Magistrado. Deixar registrado nossa homenagem e respeito a ambos, que conseguem garantir o equilíbrio necessário em nossa turbulenta sociedade.

Deixe um comentário