fbpx

Em Porto Velho, facções aproveitam morte de PM para promover onda de boatos e terror; polícia está monitorando

Envie para seus amigos

No fim de semana, 12 pessoas foram baleadas e 9 assassinatos registrados na capital de Rondônia; áudios revelam tentativa de culpar a PM

O assassinato de um cabo da Polícia Militar na manhã do último sábado em Porto Velho gerou uma onda de ataques no fim de semana, que resultou em 9 assassinatos e 12 pessoas baleadas, em três pontos distintos da capital de Rondônia.

O cabo Rogério de Castro Escorcio foi morto com um tiro no olho no final da manhã ao reagir a um assalto em um frigorifico, localizado na Estrada da Areia Branca, na Zona Sul de Porto Velho.

Os criminosos chegaram em três motocicletas e anunciaram o assalto.

O policial que estava no local reagiu, houve troca de tiros com os criminosos e Rogério acabou sendo atingido no olho.

Imagens do incêndio na Rondobras estão sendo usadas como se fossem atuais

Com o assassinato do policial, criminosos aproveitaram para dar início a uma série de mortes, e áudios, espalhados em grupos de Whatsapp, acusam a polícia de promover as mortes.

Áudio que circula em grupos de Whatsapp acusa policiais de vingança
Segundo áudio

A polícia acredita que as lideranças aproveitaram a morte do policial para promover acerto de contas, e estão monitorando. Um áudio mostra que as facções criminosas estão se organizando para ‘tocar o terror’ nos locais em que eles comandam.

A polícia está investigando as autorias dos boatos. Vários áudios estão sendo apurados e SESDEC tenta identificar se essas lideranças são locais ou de outros estados. Um áudio, de um elemento que se identifica como “Saci”, indica que dinheiro de facções como PCC estaria sendo enviado para como “reforço para tocar o terror”.

Saci diz que recebeu dinheiro do PCC para compra de armas

A polícia diz que imagens do incêndio ocorrido na empresa Rondobrás, em julho do ano passado, e operações intensas, como a Saturação, deflagrada em 2019 no Orgulho do Madeiram, estão sendo usadas como se fossem situações que estão acontecendo agora, para tentar implantar o medo na capital.

PM foi assassinado durante tentativa de assalto
Vídeo do incêndio na Rondobrás circulam como se fossem ataques da PM
Imagens de operações de 2019 no Orgulho do Madeira

Deixe um comentário