Estudos de revisão comprovam o que já se sabia, testes rápidos só servem para espalhar coronavírus

Envie para seus amigos

Um estudo revisional que avaliou dados de 40 outros estudos em diversos países comprovou o que todos já suspeitavam, da total ineficácia dos testes rápidos na detecção do novo coronavírus. Os mesmos testes que o governo de Rondônia comprou, apressadamente e que até hoje não foram entregues na sua totalidade.

Os pesquisadores concluíram que 34% dos testes rápidos dão resultados considerados falso negativos, ou seja, pessoas infectadas são diagnosticadas como saudáveis de forma errônea, o que ajuda, e muito, na propagação do vírus.

O estudo indica que, em países 10% da população infectada pelo novo coronavírus, a cada mil pessoas, 34 serão classificadas como saudáveis, quando, na verdade, estão contagiadas pelo vírus Sars-CoV-2. 

No mesmo cenário, 31 a cada 900 pessoas terão sido identificadas como se tivessem anticorpos contra a covid-19, quando, na verdade, não têm.

Os pesquisadores alertam o baixo desempenho desses testes rápidos, especialmente se forem levados em conta para a criação do que vem sendo chamado de “passaportes de imunidade”, uma espécie de selo que permite às pessoas que têm anticorpos viajarem ao exterior. 

Os achados do estudo de revisão estão em consonância com a recomendação da Organização Mundial da Saúde de não usar os testes rápidos como método de diagnóstico da covid-19. 

Publicado em 1º de julho na revista científica BMJ, o estudo indica que os estudos mais confiáveis são aqueles feitos com amostras de sangue, e não apenas com uma ou duas gotinhas de sangue analisadas em tempo real. Os testes com maiores taxas de acerto são o Elisa e o teste de quimioluminescência.

Deixe um comentário