Close

Ivo Cassol para governar Rondônia em 2022, é o que esse estado precisa

O ex-governador Ivo Cassol vem lutando para conseguir ser candidato em 2022. Ele quer voltar a administrar Rondônia. Cassol não é santo, mas a condenação que o mantém fora das disputas eleitorais foi injusta.

Para quem chega agora na conversa, vou relembrar. Quando era prefeito em Rolim de Moura, Cassol contratou uma empresa para realizar algumas obras na cidade. O Ministério Público acusou o então prefeito (que elegeu-se governador) de ter direcionado licitação. Mas, não houve dolo. Não teve dinheiro roubado nem desviado. As obras foram concluídas. A empresa fez o serviço e apenas ela queria fazer.

Esse processo bolou durante anos na justiça e foi bater no Supremo. Cassol, com seu jeito ‘sincerão’, desagradava setores que torciam o nariz para ele (se soubessem que depois viria coisa muito pior…).

Após dois mandatos bem sucedidos como governador, com o Estado avançando em todos os setores, ele foi eleito senador da República. Junto veio a condenação que vem impedindo ele de candidatar-se. Evidente que isso ai é um resumão, mas apesar de alguns ainda torcerem o nariz para o ex-governador e ex-senador, a maioria sente sua falta, ainda mais com Rondônia capengando nas mãos de um governador que não tem a menor idéia do que faz ali, naquela cadeira. Sucedeu outro fracasso, o tal Confúcio, aquele emedebista clássico que desmontou Rondônia.

Mesmo fora de cargo público, Cassol mostra que fazer política é com ele mesmo. Até quando está de folga. No último domingo postou um vídeo mostrando um pirarucu que ele e seus amigos pescaram, e aproveitou para convidar quem assistiu o vídeo, a conhecer Pedras Negras, na região do Guaporé.

Cassol fez pelo turismo de Rondônia em um vídeo de menos de dois minutos, o que Confúcio e Marcos Rocha não conseguiram fazer em 10 anos.

Por isso eu digo, Cassol para governador em 2022. É o que Rondônia precisa. De gente que realmente faz. Diferente dos que apenas falam. E ainda falam mal.

Jornalista, consultor em comunicação e gestão de crise

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Comments
Total
1
Share
scroll to top