Notas aleatórias de 5ª feira – Até maio, o governo de Rondônia recebeu da Saúde R$ 71,2 milhões para combater a Covid-19, e cadê esse dinheiro?

Envie para seus amigos

Como assim?

O governo de Rondônia emitiu uma nota de duas linhas onde diz que “está colaborando com a “Operação Polígrafo” deflagrada pela Polícia Federal na manhã de hoje (30) e vai aguardar a conclusão das investigações para se manifestar”. Mas, quando PAINEL POLÍTICO, Nahoraonline e Rondônia Dinâmica publicaram, com documentos que a compra era irregular, que os kits não tinham registro na Anvisa e que a empresa era economicamente incapaz de arcar com eventuais prejuízos, o governador e o secretário de Estado não se furtaram em atacar, alegando que era “fake news”. Agora que a PF entrou no jogo vai ficar calado? Convoca uma coletiva aí Fernando Máximo, vai lá pavonear e dizer que ‘não tem nada de errado’.

Prejuízos e mais prejuízos

Desde o início da pandemia que o governo de Rondônia vem doido para jogar dinheiro fora. Tentou alugar um hospital particular por três meses, ainda em abril, quando o Estado registrava 28 casos da doença (9 de abril) pagando R$ 9.844.099,32 (CLIQUE AQUI para ver o documento). Por conta da divulgação pela imprensa, e pela repercussão negativa, o governo desistiu do negócio, à contragosto, mas deu um jeito de queimar dinheiro público com a compra desnecessária da maternidade Regina Pacis. Se o governo tivesse investido em suas próprias unidades, incluindo o CERO, teria gasto muito menos e atendido melhor à população. O mesmo vale para a compra “emergencial” de kits de testes rápidos, que comprovadamente são ineficazes e os que foram adquiridos, às pressas e com sobrepreço, sequer tinham registro na Anvisa. Se tem uma coisa que esse governo não pode ser acusado é de eficiência em gestão de saúde. É tão ruim quanto o governo federal.

Segundo a CGU

Em 2020, até o mês de maio, o Estado de Rondônia havia recebido pelo Fundo Nacional de Saúde cerca de R$ 71,2 milhões para ações de prevenção e enfrentamento da Covid-19. Agora vamos acrescentar nessa conta, dinheiro que foi repassado pela Assembleia Legislativa, por empresários e empresas, pelos municípios. É dinheiro demais para trabalho de menos. A conta não fecha, e o governo precisa dar explicações.

Desaparecida

A família de Maria Fernanda Silva dos Santos, de 12 anos, que mora no bairro Monte Sinai, em Porto Velho (RO) tenta localizar a menor que está desaparecida desde a última segunda-feira, 26, quando saiu de casa e não voltou mais. Informações podem ser encaminhadas pelo 69 99255-1699 ou para o 190, da Polícia Militar.

Benefício da dúvida

Temos visto sucessivas operações policiais nos mais diversos círculos, e a primeira reação da opinião pública é condenar aqueles que sofreram buscas ou mesmo que foram presos provisória ou preventivamente. É bom lembrar que apenas o poder judiciário pode dar a palavra final sobre quem é culpado ou inocente. Infelizmente temos visto inocentes demais e culpados de menos. Seja por tecnicidades dos processos ou mesmo por falhas. O Brasil inverteu a lógica, prendendo para depois investigar. Isso começou antes ainda da Lava Jato e não foi falta de aviso. Agora muitos pagam o preço por conta disso.

Como disse Gabeira

O Governo de Jair Bolsonaro teria monitorado 579 opositores de Bolsonaro através do Ministério da Justiça. Porque o governo não monitora as milícias que atuam no Rio de Janeiro e São Paulo?

Deixe um comentário