fbpx

OAB deve suspender advogado que agrediu idosa em Porto Velho; ele diz que briga foi por “ameaças a mãe”

Envie para seus amigos

O advogado João Paulo Silvino que foi filmado agredindo uma idosa na última terça-feira em Porto Velho (RO) pode ser suspenso pela Seccional Rondônia da Ordem dos Advogados do Brasil. A entidade divulgou nota onde afirma que “além da possível suspensão preventiva, o tribunal pode deflagrar processo ético profissional em desfavor do advogado envolvido, assegurando o devido processo legal, a ampla defesa e o contraditório, nos termos da Lei 8906/1994, Regulamento Geral e Código de Ética”.

Em seu perfil em uma rede social, o advogado alegou que as agressões teriam ocorrido por conta de disputa por terra e uma suposta ameaça que a vítima teria feito à mãe do advogado. Silvino chegou a divulgar outro vídeo, possivelmente gravado com seu celular onde ele fala com a idosa antes de agredi-la. Segundo ele informa, a senhora seria sua tia.

A princípio a informação que circulava é que a agressão seria por conta de uma suposta dívida de honorários.

Veja abaixo a íntegra da nota da OAB:

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Rondônia, Elton Assis, noticiou ao Tribunal de Ética e Disciplina (TED), no final da tarde desta segunda-feira (06), a conduta de advogado que agrediu fisicamente uma idosa em Porto Velho. A agressão foi registrada por meio das câmeras de segurança, que mostram a gravidade do ato.

O vídeo veiculado amplamente em redes sociais foi encaminhado pela Presidência ao TED para a análise do caso e adoção das medidas cabíveis ao agressor, por possível infração ao Código de Ética e Disciplina da OAB. 

Além da possível suspensão preventiva, o tribunal pode deflagrar processo ético profissional em desfavor do advogado envolvido, assegurando o devido processo legal, a ampla defesa e o contraditório, nos termos da Lei 8906/1994, Regulamento Geral e Código de Ética.

Elton Assis, afirma que a Ordem mantém-se vigilante e atenta para tomar medidas enérgicas sempre que houver qualquer tipo de violação por parte de membros da classe. “Estamos sempre à frente, na defesa das prerrogativas da advocacia, prezamos pela integridade dos nossos profissionais, mas não podemos nos fechar diante deste ato antiético e que causa perplexidade pelo nível da agressão à pessoa idosa. Nosso Tribunal tratará o ato com a seriedade e imparcialidade necessários”.

Deixe um comentário