Perfil no Twitter expõe acadêmicos da Unir brancos que estudam na Unir pelo sistema de cotas

Envie para seus amigos

Pelo menos 16 alunos já foram expostos

Um perfil no Twitter, identificado como @unirnegritude está expondo acadêmicos da Universidade Federal de Rondônia de vários cursos que foram aprovados pelo sistema de cotas. Detalhe, todos são brancos e alguns até com sobrenomes orientais.

O perfil segue uma tendência que está sendo adotada em todos os estados, de expor alunos que foram aprovados pelo sistema de cotas, destinado a indígenas, negros e quilombolas, no rastro dos protestos antiracistas que estão ocorrendo em todo o mundo.

O perfil tem pouco mais de 400 seguidores.

Um dos casos, que chama a atenção, é do acadêmico de Medicina, Mateus Akira Suzuki, que se autodeclarou pardo e chegou a ter o pedido indeferido em Mato Grosso, mas conseguiu ingressar na Unir, em Rondônia.

https://twitter.com/unirnegritude/status/1268585635297652736

Lucas Gabriel, também teve o pedido indeferido na UFMT, ao se autodeclarar pardo.

https://twitter.com/unirnegritude/status/1268585065250000898

Outra acadêmica de Medicina, Ana Caroline Mendes, também se declarou parda.

https://twitter.com/unirnegritude/status/1268576222998663168

De acordo com o MEC, as vagas reservadas às cotas (50% do total de vagas da instituição) são subdivididas — metade para estudantes de escolas públicas com renda familiar bruta igual ou inferior a um salário mínimo e meio per capita e metade para estudantes de escolas públicas com renda familiar superior a um salário mínimo e meio.

Em ambos os casos, também será levado em conta percentual mínimo correspondente ao da soma de pretos, pardos e indígenas no estado, de acordo com o último censo demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Deixe um comentário